Filmes nacionais para trabalhar em sala de aula #cinema #escola #LDB #multiculturalismo #TemasTransversais

CinemaEscolas
Desde 2014 que a Lei 13.006 garante a exibição de filmes brasileiros nas escolas de ensino básico. É preciso que a exibição seja interessante e envolva os estudantes no debate e reflexão sobre os temas. Um exemplo é o filme Tainá 3 – A Origem, de Rosane Svartman, que conta a história da personagem Tainá, uma indiazinha que vive na Amazônia e parte para uma aventura em busca da mágica flecha azul, enviada por Tupã. O desafio faz parte de uma competição entre os garotos da aldeia para definir quem será o novo guerreiro da tribo. Mesmo sendo impedida de participar por ser menina, ela conta com a ajuda do avô e parte em busca da flecha.
 
A história pode ser um ótimo gancho para os estudantes conhecerem mais sobre a região da Amazônia, aprenderem sobre a cultura indígena e refletirem sobre a diversidade cultural do país. O filme também abre a possiblidade de trabalhar conteúdos de educação ambiental, contemplando discussões sobre o consumo consciente. Além disso, também podem ser abordadas relações de gênero, orientação sexual, construção e reconhecimento da autoimagem e da identidade. O site disponibiliza um guia do professor para cada filme (o guia do terceiro filme, Tainá 3 – A Origem, ainda não foi lançado), para auxiliar no desenvolvimento de projetos de educação ambiental, promover discussões temáticas em conjunto com todas as demais disciplinas e, ainda, aplicação nas aulas de Educação Física, Artes Cênicas, Artes Plásticas e Música.
Screen Shot 2016-03-28 at 2.19.34 PM.png
O portal  Porvir separou uma lista com algumas obras do cinema nacional que podem ser utilizadas na sala de aula e que foram apresentadas por Cláudia Mogadouro, pesquisadora do Núcleo de Comunicação e Educação da USP. Todos os filmes inseridos na lista têm materiais de apoio e planos de aula que foram publicados pela pesquisadora no site Net Educação.
1. Tainá 3 – A Origem (Rosane Svartman)
O filme da conta a história da personagem Tainá, uma indiazinha que vive na Amazônia e parte para uma aventura em busca da mágica flecha azul, enviada por Tupã. O desafio faz parte de uma competição entre os garotos da aldeia para definir quem será o novo guerreiro da tribo. Mesmo sendo impedida de participar por ser menina, ela conta com a ajuda do avô e parte em busca da flecha.

A história pode ser um ótimo gancho para os estudantes conhecerem mais sobre a região da Amazônia, aprenderem sobre a cultura indígena e refletirem sobre a diversidade cultural do país. Além disso, o filme também abre a possiblidade de trabalhar conteúdos de educação ambiental, contemplando discussões sobre o consumo consciente.

Classificação: livre
Público alvo: ensino fundamental
Duração: 80 minutos

O caminhoneiro João decide cruzar o Brasil para fugir de traumas do passado. Durante sua viagem, ele conhece Duda, um garoto órfão de mãe que decidiu procurar o pai. Enquanto os dois viajam, a amizade entre eles cria força. Apesar do drama, Duda é um menino cheio de vida que ajuda João a superar o seu passado.

O filme pode ser utilizado pelos professores para discutir sobre diferentes processos de urbanização no país e as novas configurações da família brasileira. As músicas do cantor Roberto Carlos também são outros elementos que estão presentes durante toda a obra. As cenas podem ajudar a refletir sobre a música popular brasileira e as suas influências no cotidiano.

Classificação: 14 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 90 minutos

3. A Máquina (João Falcão)

Com um roteiro alegórico, o filme conta a história de Antônio, um rapaz que mora em uma cidade chamada Nordestina, tão pequena que nem consta no mapa. Aos poucos, os habitantes do local começam a deixar a cidade para partir em busca do mundo. Quando a jovem Karina, por quem ele é apaixonado, decide ir embora, Antônio resolve construir uma máquina do tempo para ir até o futuro e trazer o mundo até ela.

Entre as cenas, os alunos podem ter contato com diversas manifestações da cultura popular nordestina. A história ajuda a refletir sobre o conceito do tempo e a construção do futuro. Outra possibilidade de trabalho é discutir com os estudantes as perspectivas de trabalho para brasileiros que moram longe dos grandes centro urbanos.

Classificação: livre
Público alvo: ensino médio
Duração: 90 minutos

4. Janela da Alma (João Jardim/Walter Carvalho)

O documentário apresenta pessoas com diferentes graus de deficiência visual e trata a relação que elas têm com a visão e o olhar. Diversas celebridades como o prêmio Nobel José Saramago e o músico Hermeto Paschoal fazem revelações sobre o significado de não ver em um mundo com o excesso de informações audiovisuais.

A obra pode ser utilizada pelo professor para trabalhar temas como deficiência, visão e o excesso de informações audiovisuais. O documentário também pode traçar um paralelo com a mito da caverna de Platão.

Classificação: livre
Público alvo: ensino médio
Duração: 73 minutos

5. Uma História de Amor e Fúria (Luiz Bolognesi)

A animação conta a história de amor de um herói imortal e Janaína. Passando por épocas históricas do Brasil, como a exploração portuguesa, a escravidão e a ditadura militar, o filme vai apresentando a trajetória do casal que sobrevive por todas essas fases. Além disso, a obra também apresenta uma projeção de futuro do país em 2096.

Entre os assuntos que podem ser trabalhados com os estudantes, estão a colonização portuguesa e a história do Brasil sob o ponto de vista dos dominados. Além disso, também é possível projetar problemas e soluções para o futuro.

Classificação: 12 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 74 minutos

6. Capitães da Areia (Cecília Amado)

Adaptação da obra de Jorge Amado, o filme conta a história dos adolescentes que vivem pelas ruas de Salvador, sem que ninguém possa cuidar deles. Liderados por Pedro Bala, os jovens formam um grupo chamado Capitães da Areia e vivem os sonhos e pesadelos de adolescentes.

O filme pode ser utilizado para trabalhar a disciplina de literatura, fazendo um paralelo com o livro. Outra possiblidade é criar reflexões sobre a adolescência e os amores da juventude.

Classificação: 16 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 96 minutos

Saiba mais:

64 maneiras de construir a paz no dia a dia

Screen Shot 2013-05-21 at 5.12.04 PMA Palas Athena, organização da sociedade civil e sem fins lucrativos, promove, agencia e incuba programas e projetos nas áreas de Educação, Saúde, Direitos Humanos, Meio Ambiente e Promoção Social, com a finalidade de aprimorar a convivência humana por meio da aproximação de culturas e articulação dos saberes.

Seus princípios são: ética da responsabilidade (propiciar o cultivo do desenvolvimento pessoal, fundado na autonomia e na responsabilidade individual, voltado para a participação comunitária; multiculturalidade (promover o diálogo e o entendimento para a coexistência das diversas tradições culturais e espirituais, e a capacidade humana de acolher outras visões de mundo sem rejeitar ou negar sua cultura original) e transdisciplinaridade (desenvolver uma educação fundada na compreensão da natureza humana, de suas atividades e expressões, na interdependência dos meios nos quais nasce e se insere: biológico, geográfico, histórico-cultural e espiritual).

Um de seus conteúdos pedagógicos oferece uma lista com 64 maneiras de construir a paz no dia a dia que vai inspirar nossos próximos banners do Facebook, e que compartilhamos com você a seguir:

  1. Hoje refletirei sobre o que a paz significa para mim.
  2. Hoje procurarei oportunidades para ser um pacificador.
  3. Hoje praticarei a não violência e o respeito pela Terra usando com sabedoria os recursos que ela oferece.
  4. Hoje separarei alguma coisa que não utilizo e doarei a alguém que poderá fazer bom uso dela.
  5. Hoje plantarei sementes – de plantas ou ideias construtivas.
  6. Hoje pensarei num mundo de abundância para os famintos do mundo e estarei aberto a sugestões de como aliviar um pouco do sofrimento dos que têm fome.
  7. Hoje reconhecerei o direito fundamental de todo ser humano à justiça, equidade e igualdade.
  8. Hoje apreciarei a riqueza da terra e o trabalho de todos aqueles que trabalharam para que meu alimento chegasse até o meu prato (o agricultor, caminhoneiro, carregador, feirante, cozinheiro, garçom etc.)
  9. Hoje procurarei compreender e respeitar uma cultura diferente da minha.

10. Hoje me oporei às injustiças, não às pessoas.

11. Hoje deixarei de lado estereótipos e preconceitos.

12. Hoje prestarei atenção ao que falo e deixarei as fofocas de lado.

13. Hoje viverei o momento presente e deixarei para trás o passado.

14. Hoje prestarei meu reconhecimento silencioso a todos os líderes do mundo.

15. Hoje falarei ao telefone de modo gentil, respeitoso e paciente com todas as pessoas.

16. Hoje me lembrarei de todas as coisas boas que sou e faço.

17. Hoje direi a verdade e falarei honestamente a partir do coração.

18. Hoje desencadearei um efeito dominó começando por fazer uma gentileza a alguém.

19. Hoje usarei os meus talentos decidindo atuar como voluntário em parte do meu tempo.

20. Hoje farei uma oração pedindo a bênção de maior entendimento sempre que vir sinais de crime, vandalismo ou depredação.

21. Hoje direi “não” a ideias ou ações que agridam a mim ou aos outros.

22. Hoje desligarei a televisão, o rádio ou a internet sempre que transmitirem algo que retrate, ou faça parecer glamurosa, a violência.

23. Hoje saudarei o dia, tudo e todos com abertura e aceitação, como se os estivesse encontrando pela primeira vez.

24. Hoje dirigirei o carro com tolerância e paciência.

25. Hoje canalizarei construtivamente a minha raiva, frustração ou ciúme praticando atividades físicas saudáveis (por exemplo, fazendo abdominais, faxina ou caminhando).

26. Hoje apreciarei o valor das pessoas que me oferecem desafios, especialmente aquelas que me deixam com raiva ou frustração.

27. Hoje falarei menos e ouvirei mais.

28. Hoje observarei tudo que há de tranquilo à minha volta.

29. Hoje perceberei como as minhas ações afetam diretamente os outros.

30. Hoje separarei algum tempo para dizer a um membro da família ou amigo o quanto são importantes para mim.

31. Hoje agradecerei a alguém que tenha agido com gentileza.

32. Hoje enviarei uma mensagem gentil e anônima a alguém.

33. Hoje identificarei alguma qualidade especial em todos que encontrar.

34. Hoje conversarei com um amigo sobre não violência para trocar ideias e ver novas perspectivas.

35. Hoje farei elogios em vez de críticas.

36. Hoje tentarei aprender com meus erros.

37. Hoje procurarei me colocar na situação do outro.

38. Hoje abraçarei as crianças com ternura, em pensamento ou ação.

39. Hoje ouvirei sem tomar a defensiva e falarei sem emitir julgamentos.

40. Hoje ajudarei alguém que estiver em dificuldades.

41. Hoje abrirei meu coração para ouvir ao menos uma pessoa.

42. Hoje tratarei os idosos que encontrar com respeito e dignidade.

43. Hoje tratarei as crianças que encontrar com respeito e cuidado, consciente de ser um exemplo para elas.

44. Hoje verei meus colegas de trabalho sob uma nova ótica: com compreensão e compaixão.

45. Hoje me abrirei a novos modos de pensar e agir, diferentes do meu.

46. Hoje pensarei em pelo menos três alternativas de lidar com alguma situação de conflito que surgir.

47. Hoje tentarei ajudar os outros a resolver conflitos de modo pacífico.

48. Hoje expressarei meus sentimentos com honestidade e sem violência, respeitando a mim mesmo e aos outros.

49. Hoje me sentarei para tomar ao menos uma refeição com minha família.

50. Hoje darei o exemplo de um pacificador, reagindo de forma não violenta em todas as situações.

51. Hoje não usarei linguagem violenta.

52. Hoje farei as coisas parando para pensar.

53. Hoje não farei de ninguém um refém do passado, vendo a todos como vejo a mim mesmo: como um projeto em construção.

54. Hoje farei o esforço consciente de sorrir para alguém contra quem tenho uma mágoa antiga.

55. Hoje praticarei a compaixão e o perdão pedindo desculpas a alguém que ofendi no passado.

56. Hoje pensarei em alguém que preciso perdoar e tomarei pelo menos um passo nessa direção.

57. Hoje perdoarei a mim mesmo.

58. Hoje abraçarei a crença espiritual do meu coração de modo pessoal e reflexivo.

59. Hoje aumentarei minha capacidade de aceitar diferenças e apreciar o valor de todos os seres humanos.

60. Hoje cuidarei dos outros em pensamento, palavras e ações.

61. Hoje procurarei aprender mais sobre ação não violenta.

62. Hoje contemplarei tudo que os animais e as plantas deste planeta me oferecem e como retribuo esta dádiva.

63. Hoje contemplarei tudo que meus ancestrais e todas as gerações passadas construíram para mim.

64. Hoje imaginarei o mundo onde gostaria que meus filhos e todas as crianças crescessem.