Filmes nacionais para trabalhar em sala de aula #cinema #escola #LDB #multiculturalismo #TemasTransversais

CinemaEscolas
Desde 2014 que a Lei 13.006 garante a exibição de filmes brasileiros nas escolas de ensino básico. É preciso que a exibição seja interessante e envolva os estudantes no debate e reflexão sobre os temas. Um exemplo é o filme Tainá 3 – A Origem, de Rosane Svartman, que conta a história da personagem Tainá, uma indiazinha que vive na Amazônia e parte para uma aventura em busca da mágica flecha azul, enviada por Tupã. O desafio faz parte de uma competição entre os garotos da aldeia para definir quem será o novo guerreiro da tribo. Mesmo sendo impedida de participar por ser menina, ela conta com a ajuda do avô e parte em busca da flecha.
 
A história pode ser um ótimo gancho para os estudantes conhecerem mais sobre a região da Amazônia, aprenderem sobre a cultura indígena e refletirem sobre a diversidade cultural do país. O filme também abre a possiblidade de trabalhar conteúdos de educação ambiental, contemplando discussões sobre o consumo consciente. Além disso, também podem ser abordadas relações de gênero, orientação sexual, construção e reconhecimento da autoimagem e da identidade. O site disponibiliza um guia do professor para cada filme (o guia do terceiro filme, Tainá 3 – A Origem, ainda não foi lançado), para auxiliar no desenvolvimento de projetos de educação ambiental, promover discussões temáticas em conjunto com todas as demais disciplinas e, ainda, aplicação nas aulas de Educação Física, Artes Cênicas, Artes Plásticas e Música.
Screen Shot 2016-03-28 at 2.19.34 PM.png
O portal  Porvir separou uma lista com algumas obras do cinema nacional que podem ser utilizadas na sala de aula e que foram apresentadas por Cláudia Mogadouro, pesquisadora do Núcleo de Comunicação e Educação da USP. Todos os filmes inseridos na lista têm materiais de apoio e planos de aula que foram publicados pela pesquisadora no site Net Educação.
1. Tainá 3 – A Origem (Rosane Svartman)
O filme da conta a história da personagem Tainá, uma indiazinha que vive na Amazônia e parte para uma aventura em busca da mágica flecha azul, enviada por Tupã. O desafio faz parte de uma competição entre os garotos da aldeia para definir quem será o novo guerreiro da tribo. Mesmo sendo impedida de participar por ser menina, ela conta com a ajuda do avô e parte em busca da flecha.

A história pode ser um ótimo gancho para os estudantes conhecerem mais sobre a região da Amazônia, aprenderem sobre a cultura indígena e refletirem sobre a diversidade cultural do país. Além disso, o filme também abre a possiblidade de trabalhar conteúdos de educação ambiental, contemplando discussões sobre o consumo consciente.

Classificação: livre
Público alvo: ensino fundamental
Duração: 80 minutos

O caminhoneiro João decide cruzar o Brasil para fugir de traumas do passado. Durante sua viagem, ele conhece Duda, um garoto órfão de mãe que decidiu procurar o pai. Enquanto os dois viajam, a amizade entre eles cria força. Apesar do drama, Duda é um menino cheio de vida que ajuda João a superar o seu passado.

O filme pode ser utilizado pelos professores para discutir sobre diferentes processos de urbanização no país e as novas configurações da família brasileira. As músicas do cantor Roberto Carlos também são outros elementos que estão presentes durante toda a obra. As cenas podem ajudar a refletir sobre a música popular brasileira e as suas influências no cotidiano.

Classificação: 14 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 90 minutos

3. A Máquina (João Falcão)

Com um roteiro alegórico, o filme conta a história de Antônio, um rapaz que mora em uma cidade chamada Nordestina, tão pequena que nem consta no mapa. Aos poucos, os habitantes do local começam a deixar a cidade para partir em busca do mundo. Quando a jovem Karina, por quem ele é apaixonado, decide ir embora, Antônio resolve construir uma máquina do tempo para ir até o futuro e trazer o mundo até ela.

Entre as cenas, os alunos podem ter contato com diversas manifestações da cultura popular nordestina. A história ajuda a refletir sobre o conceito do tempo e a construção do futuro. Outra possibilidade de trabalho é discutir com os estudantes as perspectivas de trabalho para brasileiros que moram longe dos grandes centro urbanos.

Classificação: livre
Público alvo: ensino médio
Duração: 90 minutos

4. Janela da Alma (João Jardim/Walter Carvalho)

O documentário apresenta pessoas com diferentes graus de deficiência visual e trata a relação que elas têm com a visão e o olhar. Diversas celebridades como o prêmio Nobel José Saramago e o músico Hermeto Paschoal fazem revelações sobre o significado de não ver em um mundo com o excesso de informações audiovisuais.

A obra pode ser utilizada pelo professor para trabalhar temas como deficiência, visão e o excesso de informações audiovisuais. O documentário também pode traçar um paralelo com a mito da caverna de Platão.

Classificação: livre
Público alvo: ensino médio
Duração: 73 minutos

5. Uma História de Amor e Fúria (Luiz Bolognesi)

A animação conta a história de amor de um herói imortal e Janaína. Passando por épocas históricas do Brasil, como a exploração portuguesa, a escravidão e a ditadura militar, o filme vai apresentando a trajetória do casal que sobrevive por todas essas fases. Além disso, a obra também apresenta uma projeção de futuro do país em 2096.

Entre os assuntos que podem ser trabalhados com os estudantes, estão a colonização portuguesa e a história do Brasil sob o ponto de vista dos dominados. Além disso, também é possível projetar problemas e soluções para o futuro.

Classificação: 12 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 74 minutos

6. Capitães da Areia (Cecília Amado)

Adaptação da obra de Jorge Amado, o filme conta a história dos adolescentes que vivem pelas ruas de Salvador, sem que ninguém possa cuidar deles. Liderados por Pedro Bala, os jovens formam um grupo chamado Capitães da Areia e vivem os sonhos e pesadelos de adolescentes.

O filme pode ser utilizado para trabalhar a disciplina de literatura, fazendo um paralelo com o livro. Outra possiblidade é criar reflexões sobre a adolescência e os amores da juventude.

Classificação: 16 anos
Público alvo: ensino médio
Duração: 96 minutos

Saiba mais:

Crianças que desafiam as normas de #gênero: Adele leva o filho para a Disney vestido de princesa #diversidade

A cantora Adele leva à Disney o seu filho, Angelo, que vai vestido de princesa Anna, personagem do desenho animado Frozen, com sapatilha e tudo.

Em nosso livro ‘Meu dia de princesa‘, Deco vai brincar com a Francisca e também quer ser uma princesa. Com a atitude, Adele mostra que apoia a individualidade do pequeno!

Parabéns, Adele!

Deco & Adele.jpg

Leia outros posts sobre diversidade, inclusão, aceitação e valorização em nosso blog:

E as crianças nos ensinam sobre #aceitação, #diversidade e #inclusão. #educação #LiteraturaInfantil #livro #literatura

#LivrosInfantis sobre #meninos que se vestem como #meninas #livro #literatura #crianças #infantil #bullying

 

 

 

 

E as crianças nos ensinam sobre #aceitação, #diversidade e #inclusão. #educação #LiteraturaInfantil #livro #literatura

MPB_CoverOnly_HR-300x300Aqui no blog sempre falamos em diversidade e inclusão e nunca em aceitação. A aceitação permeia os conceitos, tanto de diversidade quanto de inclusão, mas o site do livro My Princess Boy (Meu menino é uma princesa, em tradução livre) me chamou a atenção para o uso da palavra em si.

A americana Cheryl Kilodavis escreveu o livro originalmente para explicar e apoiar a preferência de um de seus filhos por ‘coisas bonitas’, consideradas femininas, como roupas de balé, a cor rosa e vestidos brilhantes de princesas.

O controverso livro explora a identidade de gênero e a tolerância. My Princess Boy tornou-se um movimento de aceitação para cada criança que já se sentiu discriminada ou incompreendida pelo simples fato de ser diferente das demais.

Em fevereiro deste ano a Revista Nova Escola nos presenteou com uma matéria de capa bastante polêmica, para refletirmos sobre sexualidade e gênero, ‘Educação sexual: precisamos falar sobre Romeo…‘.  Na maioria das vezes a escola trata com preconceito quem desafia as normas de papéis masculinos e femininos.romeuNovaEscola

Mas como lidar com um aluno que se veste de princesa? Cheryl conta o que fez e fala em “amizade incondicional”. Quando ela notou que o filho pudesse sofrer bullying na escola por usar um vestido ao invés de roupas masculinas, ela procurou a professora para uma conversa.

A professora dividiu os anseios de Cheryl com outros educadores e responsáveis e um plano foi traçado para apoiar tanto o filho dela quanto outras crianças que se expressam de forma diferente.

Debates sobre tolerância são uma das melhores respostas ao bullying, e podem ajudar a fazer o mundo voltar ao que é mais básico e importante: compaixão. Como podemos ter mais compaixão uns com os outros? Com comprometimento, esforço e amor, afirma Cheryl.

Ao viajar para contar sua história em seminários e capacitações, Cheryl sentiu necessidade de produzir um material que ajudasse na cruzada pela aceitação. Ela desenvolveu o que chamou de The Acceptance Curriculum – O Currículo da Aceitação.

O currículo proposto por Cheryl pretende ajudar na facilitação de conversas sobre aceitação, ensinando o poder de parar para ouvir e entender como cada criança expressa a sua própria singularidade. Somos todos diversos e merecemos ser aceitos e compreendidos.

“A escola, que deveria abraçar as diferenças, pode ser o ambiente mais opressivo que existe”, defende Iana Mallmann, 18 anos, ativista contra a homofobia. “Muitos ainda abandonam as salas de aula por não se sentirem bem nesse espaço”, completa Beto de Jesus, secretário para América Latina e Caribe da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, pessoas Trans e Intersex (Ilga, na sigla em inglês). Revista Nova Escola, fevereiro/2015

PrincessBoy

Dyson, o caçula de Cheryl, brincando de ser feliz.

O professor, facilitador ou responsável, por meio das atividades d’O Currículo da Aceitação, pode ajudar cada criança a acreditar que a aceitação é possível, e que existe um lugar seguro para todos reconhecerem as diferenças uns dos outros e serem quem são.

Cheryl conta que foi seu filho mais velho, então com 6 anos, quem a fez “acordar” para a aceitação do mais novo. Enquanto ela proibia o caçula de usar e brincar com as “coisas de meninas”, o mais velho disse: “Por que você não pode simplesmente deixá-lo ser feliz, mãe?”

Essas e outras nos levam a crer que as crianças sempre têm as respostas, e os adultos as esquecem com o tempo.

O #amor não tem rótulos – #diversidade #inclusão

Hoje vimos nas redes sociais um vídeo maravilhoso que representa bem que o amor deve ser praticado em sua forma mais pura, sem rótulos. O amor não tem gênero. O amor não tem raça. O amor não tem deficiência. O amor não tem idade. O amor não tem religião. O amor não tem fronteiras.

Usando uma tela de raio-x foi mostrado em praça pública casais de esqueletos apaixonados. ❤ ❤ A identidade por trás dos esqueletos foi a grande emoção! Assista e se emocione:

Se você tem esperança em mundo de mais amor e respeito à diversidade e à Natureza, compartilhe seus sentimentos por aí. Converse com as pessoas, tenha paciência para expor suas ideias. O desconhecimento leva ao preconceito, violência, sofrimento e espanto diante da diversidade social, cultural, sexual e étnico-racial. Vamos abordar temas contemporâneos com uma visão otimista e contribuir para uma educação inclusiva e com afeto.

#LivrosInfantis sobre #meninos que se vestem como #meninas #livro #literatura #crianças #infantil #bullying @brainpicker

Desde que resolvi escrever para crianças e fiquei com vontade de ter um personagem masculino que não vê problemas em se vestir com roupas femininas, retratado no livro Meu dia de princesaque meus sentidos ficaram atentos tanto para o comportamento, quanto para a literatura mundial voltada pro assunto. É confortante saber que existem escritores por aí tratando da questão de forma direta, sem rodeios, defendendo a diversidade e o amor acima de tudo.

O website BrainPickings, da escritora e curiosa Maria Popova, é uma fonte maravilhosa de informações para um mundo de mais respeito e solidariedade. É um de meus sites prediletos. Vira e mexe ela mostra livros que questionam os mais diversos estereótipos de comportamento. Que combatem padrões femininos pré-concebidos, por exemplo, tanto no que se refere à costumes, quanto à vocações profissionais.

Um exemplo é o livro sobre a pequena Rosie, que sonha em se tornar uma competente engenheira e aprende a abraçar o fracasso como parte vital de sua trajetória. O fracasso é parte importante de nossas vidas, sendo a criatividade um de seus resultados. Ou seja: “Você tem que estar disposto a fracassar… se você tem medo de fracassar, não irá muito longe”, reforçou Steve Jobs em uma de suas célebres frases.

“You gotta be willing to fail… if you’re afraid of failing, you won’t get very far,” Steve Jobs

Um livro no qual esbarrei recentemente num Tweet da Maria [@brainpicker] é o ‘Morris Micklewhite and the Tangerine Dress‘ que na minha tradução livre se chamaria ‘Morris Micklewhite e o vestido cor de tangerina’.

morrismicklewhite

É um livro sobre o que acontece com os meninos que não se identificam com as regras sociais impostas acerca de como eles devem tratar sua própria identidade e não entendem porque eles não estão autorizados a desfrutar do que as meninas gostam. Morris quer usar vestidos. E quer ser um astronauta. As crianças zombam dele, pois astronautas não vestem vestidos… E por que não?!?!

Recentemente a mídia internacional divulgou que o casal hollywoodiano Brad Pitt e Angelina Jolie respeitaram o pedido da filha Shiloh de se vestir como menino e passar a ser chamada de John. A família da criança de oito anos de idade apoia plenamente a sua individualidade. Shiloh agora é John, usa roupas masculinas e é chamada pelo nome que se sente à vontade.

Mas, na maioria das vezes, o suporte que a família dá – quando dá – não reflete o comportamento da sociedade. Numa das passagens do livro a autora, Christine Baldacchino, retrata o que acontece com frequencia:

morrisvestido

‘Às vezes os meninos zombam de Morris. Às vezes as meninas zombam, também.
Morris finge que não está escutando,
enquanto caminha sozinho.
Zunzum, Zunzunzum…
Assobiando ou cantando, ele vai andando.
Morris finge que não ouve o que está ouvindo.’ [Tradução livre.]

O vídeo abaixo, infelizmente somente em inglês, faz uma sinopse sobre o querido Morris e seu vestido colorido 🙂

Nós te amamos Morris, O Astronauta de Vestido Tangerina!!! ❤

.:. Carolina Graciosa, autora d’O mundo colorido de Francisca .:.

Novos lançamentos sobre #diversidade (via @publishnews )

 

Educação infantil e diferença

EduInfantilDiferença

PublishNews – 18/02/2014 – Redação

Lançamento da Papirus Editora propõe pluralidade do ensino infantil

Educação infantil e diferença (Papirus, 192 pp., R$ 44,90), com organização de Anete Ab

ramowicz e Michel Vandenbroeck, trata das diferenças, da prática e do contexto social, econômico e político para solucionar problemas do ensino infantil no Brasil. O objetivo principal do livro é trazer a diferença como tema central e finalidade de uma prática e teoria educativa. Os autores concordam que a educação infantil deveria se constituir como um espaço de diáspora, que não é a pátria idealizada e homogênea, mas uma inflexão territorial e temporal  operada pelos coletivos sociais a partir da racialização, do gênero, da sexualidade e da etnia.

Acolhimento da diversidade

PublishNews – 18/02/2014 – Redação

Obra busca compreender o desafio da democratização da escola

A educação é um campo em constante transformação. É nesse espírito que a obra Conselho escolar e diversidade: por uma ConselhoEscolarDiversidadeescola mais democrática (Edufscar, 280 pp., R$ 30), organizada pelas educadoras Maria Cecília Luiz e Renata Maria Moschen Nascente, vem para dar subsídios à compreensão do desafio da democratização da escola. Pesquisadores, docentes e discentes da Universidade Federal de São Carlos e de outras instituições federais e estaduais se reuniram para compreender as bases teóricas e as possíveis abordagens que permitem à escola acolher a diversidade, rompendo preconceitos e reconhecendo e aceitando o outro, perspectiva que, na visão desses estudiosos, deve ser fomentada no conselho escolar. A obra se divide em duas partes, inclusão e diversidade nos conselhos escolares e conselhos escolares e democratização.