O #amor não tem rótulos – #diversidade #inclusão

Hoje vimos nas redes sociais um vídeo maravilhoso que representa bem que o amor deve ser praticado em sua forma mais pura, sem rótulos. O amor não tem gênero. O amor não tem raça. O amor não tem deficiência. O amor não tem idade. O amor não tem religião. O amor não tem fronteiras.

Usando uma tela de raio-x foi mostrado em praça pública casais de esqueletos apaixonados. ❤ ❤ A identidade por trás dos esqueletos foi a grande emoção! Assista e se emocione:

Se você tem esperança em mundo de mais amor e respeito à diversidade e à Natureza, compartilhe seus sentimentos por aí. Converse com as pessoas, tenha paciência para expor suas ideias. O desconhecimento leva ao preconceito, violência, sofrimento e espanto diante da diversidade social, cultural, sexual e étnico-racial. Vamos abordar temas contemporâneos com uma visão otimista e contribuir para uma educação inclusiva e com afeto.

Catálogo de Maurice Sendak @Blooks

Sendak_CoverRGBsmall

A Blooks Livraria acaba de receber o importado que comemora os sessenta anos de carreira de Maurice Sendak. O autor e ilustrador infantil completaria 85 anos na segunda-feira passada (10), quando foi homenageado pelo Google com um Doodle animado. Sendak se tornou amplamente conhecido pelo seu livro Where the Wild Things Are [Onde Vivem os Monstros], publicado pela primeira vez em 1963.

O catálogo, que está à venda na Blooks, traz centenas de fotos que estarão expostas de 11 junho à 17 agosto de 2013 na Society of Illustrators de Nova York (página no Facebook: Museum of American Illustration at the Society of Illustrators).

Blooks Livraria fica na Praia de Botafogo, 316

Rio de Janeiro – CEP 22250-040 | Telefone: (21) 2237-7974

E-mail: blooks@blooks.com.br

Todo Dia Era Dia de Índio

Survival:Divulgação  2

Fotos raras de índios isolados na Amazônia peruana são divulgadas em 2012
Fonte: Estadão

Curumim,chama Cunhatã
Que eu vou contar

Curumim,chama Cunhatã
Que eu vou contar

Todo dia era dia de índio
Todo dia era dia de índio

Curumim,Cunhatã
Cunhatã,Curumim

Antes que o homem aqui chegasse
Às Terras Brasileiras
Eram habitadas e amadas
Por mais de 3 milhões de índios
Proprietários felizes
Da Terra Brasilis

Pois todo dia era dia de índio
Todo dia era dia de índio

Mas agora eles só tem
O dia 19 de Abril

Mas agora eles só tem
O dia 19 de Abril

Amantes da natureza
Eles são incapazes
Com certeza
De maltratar uma fêmea
Ou de poluir o rio e o mar

Preservando o equilíbrio ecológico
Da terra,fauna e flora

Pois em sua glória,o índio
É o exemplo puro e perfeito
Próximo da harmonia
Da fraternidade e da alegria

Da alegria de viver!
Da alegria de viver!

E no entanto,hoje
O seu canto triste
É o lamento de uma raça que já foi muito feliz
Pois antigamente

Todo dia era dia de índio
Todo dia era dia de índio

Curumim,Cunhatã
Cunhatã,Curumim

Terêrê,oh yeah!
Terêreê,oh!

(Baby do Brasil)