Mais #fotos do Salão do Livro de São Gonçalo #aniversário #2anos #divulgação #leitura #livro #diversidade #inclusão #LiteraturaInfantil #literatura

.:. Fotos gentilmente cedidas pela Secretaria de Educação de São Gonçalo .:.

Fotos do Salão do Livro de São Gonçalo #aniversário #2anos #divulgação #fotos #leitura #livro #diversidade #inclusão #LiteraturaInfantil #literatura

Nosso evento em São Gonçalo teve leitura em voz alta com as crianças, oficina de colorir, bate-papo e muita alegria! Nossos agradecimentos especiais vão para a equipe do Salão Municipal do Livro, que foi muito atenciosa; a Secretaria de Educação de São Gonçalo, pela oportunidade maravilhosa; e para as crianças que participaram com muito entusiasmo e interesse de nossas atividades. Na ocasião doamos 150 livros para os alunos das escolas públicas municipais de São Gonçalo. Uma bela maneira de comemorarmos 2 anos de lançamento de nossa primeira série!

Valeu mesmo!

.:. Fotos de Paulo Renato Colombiano .:.

Nosso mundo colorido no I Salão Municipal do #Livro de São Gonçalo #RJ #evento #LeituraDaVez #LiteraturaInfantil #inclusão #Diversidade

SGsalãolivro

Março é o mês de aniversário do lançamento de nossa primeira coletânea, que foi lançada em 23 de março de 2013!! E para comemorar vamos participar do I Salão Municipal do Livro de São Gonçalo. Estamos muito felizes com a oportunidade. Estaremos lá para uma conversa informal e leitura de história, além da usual oficina de colorir para entreter as crianças.

Com entrada gratuita, o evento será realizado na casa de show Inove Music (I9), no bairro Camarão, até o dia 12 de março, quando é comemorado o Dia Municipal de Incentivo à Leitura. O evento teve abertura prevista para hoje, às 15h.

Leia mais sobre o evento:

Jornal O Dia: Salão Municipal do Livro começa nesta terça em São Gonçalo

Jornal O São Gonçalo: São Gonçalo terá 1o Salão de Livros

Serviço:
I Salão Municipal do Livro de São Gonçalo
Casa de show Inove Music (I9)
Rua Jaime de Figueiredo, 10
Bairro Camarão – São Gonçalo

Confira a programação completa:

10/03/2015
Tarde:
15h – Abertura – Palavras do Prefeito, Secretário Municipal de Educação e Secretário Municipal de Cultura (palco)
15h30min – Kiara Terra “OBAX – A coragem de inventar suas próprias histórias” (palco)
16h30min – Thalita Rebouças (palco)
17h30min às 18h – Thalita Rebouças – autógrafos/fotos – distribuição de senhas (Espaço Affonso Romano de Sant’Anna)

Noite:
18h às 21h – Oficina – “Como nasce um narrador” – Kiara Terra (30 vagas) – (Espaço Zuenir Ventura)
18h – Contação de Histórias – Maria Clara Cavalcanti (Canto de Contos 1)
18h30min às 21h – Oficina de Contação de Histórias – Maria Clara Cavalcanti (30 vagas) (Espaço Affonso Romano de Sant’Anna)
18h30min – Oficina “O Dom da Vidência e a Poesia de Jorge Luiz Borges” – Sec. Cláudio Mendonça (Canto de Contos 2)
18h30min – “A Família Salada” e “O Sol que queria nascer de noite”, por Cláudia Cataldi (histórias bilíngues) (Cantos de Contos 1)
18h30min – Poemas de Fernando Pessoa – Sr. Antônio Gomes Eduardo – (stand Livraria Gutenberg)
19h30min – “Ouvindo histórias, Fortalecendo laços: a importância das histórias na educação bilíngue – Profª Cláudia Spitz (Canto de Contos 1)
19h30min – Palestra “Gosto Literário – Pra não dizer que não falei dos livros” – Professor Dr. Érico Braga (Cátedra PUC/RJ) e Professora Drª Shirlei Victorino (SEMED/PROLER) (palco)

11/03/2015
Manhã:
9h30min – Histórias com a autora: Sônia Travassos (Canto de Contos 1)
9h30 – Resiliência e Habilidades Sociais – Mediadora: Profª Drª Luciana Campos e autores (Espaço Affonso Romano de Sant’Anna)
9h30min – A Arte de Ilustrar – Marília Pirillo, Renato Alarcão, William Côgo, Ykenga – Mediação: Professora Yolanda Florêncio (palco)
10h – Encontro com Amanda Rabello – (Canto de Contos2)
10h30 – Poeta Sérgio Fonseca – “Dizedor de Poesia” (Espaço Zuenir Ventura)
10h30min – Maria Fernanda e Lilia Barcelos – Contação de Histórias (Canto de Contos 1)
11h – Conversa com autor: Zuenir Ventura (palco)
12h30min – Ykenga – Oficina de Cartum (Espaço Affonso Romano de Sant’Anna)
12h30min – “Violência nas Escolas – Como Lidar?” – Juarez Bastos (30 vagas) (Espaço Zuenir Ventura)

Tarde:
13h – Ana Lúcia Pó – Contando e Dançando Histórias – (Canto de Contos 1)
13h15min – Luis Eduardo Matta – Literatura de Mistério (palco)
13h30min às 17h – Oficina Dançando Histórias – Ana Lúcia Pó (30 vagas) Espaço Zuenir Ventura
13h30min – Maria Fernanda e Lilia Barcelos – Contação de Histórias (Canto de Contos 1)
14h30min – Mesa de Debates: Jovens Autores “Afinal, pra que Ler?” – Carolina Estrella, Gabriel Edgar, Rodrigo Kilzer, Amanda Rabello, Bruna Fontes. Mediação: Affonso Romano de Sant’Anna (palco)
15h – Carolina Graciosa da Fonseca – O Mundo Colorido de Francisca – (Canto de Contos 1)
15h30min – Luciene Prado – Deusa e Semente Viva (Canto de Contos 2)
17h – Eduardo Spohr – autor de A Batalha do Apocalipse (palco)
17h30min até 19h – Palestra: “Histórias daqui, de lá, de todo lugar – Por que narrar?” – Escritor Rogério Barbosa Andrade e Professora Drª Adriana Bittencourt Guedes
18h30min – Um Novo Pirata – Olívia Neves (Canto de Contos 1)

12/03/2015 – Dia Municipal de Incentivo à Leitura
Manhã:
9h30min – Retratos da Leitura no Brasil – Professor Galeno Amorim (palco)
10h15min – Mesa de Debates: São Gonçalo Cidade Leitora – Autores Gonçalenses: Décio Machado (AGLAC), Fernando Félix (Presidente da AGLAC), João Luiz (Corujão da Poesia), Luciene Prado, Oton São Paio, Rachel Santo Antônio, Rubem Baptista, Sandra Lima e Vereador Professor Paulo. Mediação: Secretário Municipal de Educação Cláudio Mendonça (palco)
10h – Contos Africanos – Perses Canellas (Canto de Contos 2)
11h – Professora Dília Gouveia – “A Minha Pátria é a Minha Língua” com Sr. Antonio Gomes Eduardo – declamação (Espaço Affonso Romano de Sant’Anna)
11– “Vicente Esqueceu de ser Gente”– Elaine Furlani – (Canto de Contos 1)
12h30min – Homenagem a Ariano Suassuna – Auto da Compadecida – adaptação feita por Alunos do Programa Jovem Aprendiz SEST/SENAT (palco)
Tarde:
13h30min – Maurício de Souza (palco)
17h – Histórias pra boi dormir (palco)
18h – Encerramento / Palavras do Sec. Municipal de Educação e Sec. de Cultura
18h15min – Orquestra Municipal – Maestro Paulo Guarani (palco)

Como usar as redes sociais na sala de aula @edutopia #educação #aprendizagem

Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo.” Paulo Freire 
“Se ensinarmos nossas crianças como no passado, estaremos roubando delas o futuro.” John Dewey (Tradução livre*)
davis-guidebook-social-media-thinkstock

Image credit: Thinkstock

12 maneiras para usar as mídias sociais nas salas de aula (**)

1. Tweettar ou fazer atualizações de status em classe: a professora Karen Lirenman, do Canadá, permite que os alunos proponham o que ela chama de “nuggets de aprendizagem”, que são compartilhados para os pais lerem.

2. Escrever posts de blog sobre o que os alunos estão aprendendo: o professor Kevin Jarrett compartilha reflexões sobre seu laboratório STEM elementar para os pais a ler a cada semana.

3. Deixar os seus alunos escreverem para o mundo: os alunos da professora Linda Yollis ” refletem sobre a aprendizagem e a convivência em sala de aula.

4. Conectar-se a outras salas de aula através de mídias sociais: a professora Joli Barker conecta corajosamente sua sala de aula através de uma variedade de meios de comunicação.

5. Usar o Facebook para obter feedback de seus alunos para projetos virtuais de feiras de ciências: o professor Jamie Ewing está fazendo isso agora, como ele compartilhou recentemente .

6. Usar o YouTube para sediar um show ou um podcast de seus alunos. Os estudantes do professor Don Wettrick apresentaram o Focus Show online e agora compartilham o seu trabalho em um podcast.

7. Criar contas de Twitter para projetos especiais: a aluna Morgan passou dois anos testando e pesquisando os melhores aplicativos para crianças com autismo (com a ajuda de três “recrutas”), e seu trabalho ganhou o Prêmio NCWIT (National Center for Women & IT) para o Estado da Geórgia.

8. Fazer perguntas autênticas para envolver seus alunos na aprendizagem: o professor Tom Barrett fez isso com sua turma para estudar probabilidade, perguntando sobre o tempo em vários locais.

9. Comunicar-se com outras salas de aula: os projetos The Global Read Aloud, The Global Classroom Project e Physics of the Future são três exemplos de como os professores usam as mídias sociais para conectar seus alunos ao passo que eles colaboram e se comunicam.

10. Criar projetos com outros professores: o projeto Physics of the Future (citado anteriormente) foi uma parceria da autora desta postagem, a professora Vicki Davis, e o professor Aaron Maurer, depois de se conhecerem no Twitter.

11. Compartilhar a sua aprendizagem com o mundo: os alunos da professora Vicki Davis estão criando a Encyclopedia of Learning Games (Enciclopédia de Jogos de Aprendizagem) com os alunos de pós-graduação do Dr. Lee Graham, da Universidade do Sudeste do Alaska. Os educadores estão testando os jogos, e os alunos estão testando também.

12. Apoiar uma causa que você se preocupa: Aulas da Sra. Stadler estão trabalhando para salvar os rinocerontes na África do Sul, e a professora Angela Maiers tem milhares de crianças no projeto Choose2Matter, idealizado para aqueles que acreditam que suas ações positivas têm impacto no mundo.

“If we teach as we taught yesterday, we rob our children of tomorrow.” – John Dewey

** Tradução livre do site Edutopia

A Importância da Literatura Infantil

“A literatura infantil, antes tudo, literatura e, portanto, arte, contribui significativamente para o desenvolvimento e aprendizagem da criança. A relação de sentido desencadeada entre a criança e os contos de fadas, poesias, narrativas, fábulas e histórias infantis contribui para a formação da personalidade, valoriza os sentimentos, cultiva a sensibilidade, instiga a compreensão da realidade e principalmente consegue, através do brincar, projetar na criança o gosto pela leitura.” (1)

Incentivo

(1)
A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL PARA A APRENDIZAGEM
SIGNIFICATIVA DA CRIANÇA
Márcia Cecília de Oliveira Carregosa
Revista Letrando, v. 1
jan./jun. 2012
Revista ditada pelo Diretório Acadêmico de Letras da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (Brasil), em colaboração com a Fundación para la eSalud (Espanha). ISSN 2317-0735.

Afinal, o que é aprendizagem sustentável?

Sustentabilidade é um termo abrangente, um modelo de desenvolvimento que carrega consigo diversos programas. E ‘aprendizagem’ inclui não somente o que é alcançado através dos sistemas educacionais (educação em seu sentido mais formal), mas também o que é assimilado no cotidiano, seja em casa, no trabalho ou na comunidade (Tilbury & Wortman, 2004).

As peças-chave para tal tipo de educação envolvem três pilares: a sociedade, o meio-ambiente e a economia, todas tendo a cultura como ponto de convergência (Tilbury & Wortman). Com o objetivo de encontrar soluções pragmáticas para que a educação tradicional se adapte às mudanças do planeta, a Comissão de Educação e Comunicação da IUCN – International Union for Conservation of Nature (uma das mais influentes e respeitadas organizações no campo da conservação da diversidade biológica, da preservação do meio ambiente e da gestão de recursos naturais) defende que a Educação para o Desenvolvimento Sustentável reforce os valores culturais e a utilização responsável dos recursos naturais para que a sociedade mundial encontre justiça social.

Sendo a educação o principal agente transformador da sociedade, ela precisa também transformar-se para acompanhar as mudanças tecnológicas e necessidades ambientais. O modelo tradicional do “cuspe e giz” já não segura mais a criança tecnológica. No entanto, o computador e outras ferramentas modernas não substituem a experiência alcançada através da interação com a Natureza.

Cada forma de aprender tem o seu lugar como parte do mosaico necessário para o desenvolvimento de crianças e jovens. A consciência da diversidade (social, cultural e ambiental), dos valores tradicionais, dos conhecimentos e das línguas associadas com as mais variadas formas de expressão cultural que temos espalhadas pelo mundo, passarão a determinar a forma com que a aprendizagem sustentável acontecerá nos contextos específicos de cada comunidade.

A ONU declarou em 2005 mais uma década temática, dedicada à Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014). Esta iniciativa precisa significar mais do que apenas uma fonte de esperança.

Outros links sobre o assunto:

UNESCO

“Isso representa uma nova visão da educação capaz de ajudar pessoas de todas as idades a entender melhor o mundo em que vivem, tratando da complexidade e do interrelacionamento de problemas tais como pobreza, consumo predatório, degradação ambiental, deterioração urbana, saúde, conflitos e violação dos direitos humanos, que hoje ameaçam nosso futuro.”

“A sociedade brasileira é constituída por diferentes grupos étnico-raciais que a caracterizam, em termos culturais, como uma das mais ricas do mundo. Entretanto, sua história é marcada por desigualdades e discriminações, especificamente contra negros e indígenas, impedindo, desta forma, seu pleno desenvolvimento econômico, político e social.”

 ——————————————–

Tilbury, D. & Wortman, D. (2004). Engaging People in Sustainability, Comission of Education and Communication, IUCN, Gland, Switerland and Cambrige, UK.