E as crianças nos ensinam sobre #aceitação, #diversidade e #inclusão. #educação #LiteraturaInfantil #livro #literatura

MPB_CoverOnly_HR-300x300Aqui no blog sempre falamos em diversidade e inclusão e nunca em aceitação. A aceitação permeia os conceitos, tanto de diversidade quanto de inclusão, mas o site do livro My Princess Boy (Meu menino é uma princesa, em tradução livre) me chamou a atenção para o uso da palavra em si.

A americana Cheryl Kilodavis escreveu o livro originalmente para explicar e apoiar a preferência de um de seus filhos por ‘coisas bonitas’, consideradas femininas, como roupas de balé, a cor rosa e vestidos brilhantes de princesas.

O controverso livro explora a identidade de gênero e a tolerância. My Princess Boy tornou-se um movimento de aceitação para cada criança que já se sentiu discriminada ou incompreendida pelo simples fato de ser diferente das demais.

Em fevereiro deste ano a Revista Nova Escola nos presenteou com uma matéria de capa bastante polêmica, para refletirmos sobre sexualidade e gênero, ‘Educação sexual: precisamos falar sobre Romeo…‘.  Na maioria das vezes a escola trata com preconceito quem desafia as normas de papéis masculinos e femininos.romeuNovaEscola

Mas como lidar com um aluno que se veste de princesa? Cheryl conta o que fez e fala em “amizade incondicional”. Quando ela notou que o filho pudesse sofrer bullying na escola por usar um vestido ao invés de roupas masculinas, ela procurou a professora para uma conversa.

A professora dividiu os anseios de Cheryl com outros educadores e responsáveis e um plano foi traçado para apoiar tanto o filho dela quanto outras crianças que se expressam de forma diferente.

Debates sobre tolerância são uma das melhores respostas ao bullying, e podem ajudar a fazer o mundo voltar ao que é mais básico e importante: compaixão. Como podemos ter mais compaixão uns com os outros? Com comprometimento, esforço e amor, afirma Cheryl.

Ao viajar para contar sua história em seminários e capacitações, Cheryl sentiu necessidade de produzir um material que ajudasse na cruzada pela aceitação. Ela desenvolveu o que chamou de The Acceptance Curriculum – O Currículo da Aceitação.

O currículo proposto por Cheryl pretende ajudar na facilitação de conversas sobre aceitação, ensinando o poder de parar para ouvir e entender como cada criança expressa a sua própria singularidade. Somos todos diversos e merecemos ser aceitos e compreendidos.

“A escola, que deveria abraçar as diferenças, pode ser o ambiente mais opressivo que existe”, defende Iana Mallmann, 18 anos, ativista contra a homofobia. “Muitos ainda abandonam as salas de aula por não se sentirem bem nesse espaço”, completa Beto de Jesus, secretário para América Latina e Caribe da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, pessoas Trans e Intersex (Ilga, na sigla em inglês). Revista Nova Escola, fevereiro/2015

PrincessBoy

Dyson, o caçula de Cheryl, brincando de ser feliz.

O professor, facilitador ou responsável, por meio das atividades d’O Currículo da Aceitação, pode ajudar cada criança a acreditar que a aceitação é possível, e que existe um lugar seguro para todos reconhecerem as diferenças uns dos outros e serem quem são.

Cheryl conta que foi seu filho mais velho, então com 6 anos, quem a fez “acordar” para a aceitação do mais novo. Enquanto ela proibia o caçula de usar e brincar com as “coisas de meninas”, o mais velho disse: “Por que você não pode simplesmente deixá-lo ser feliz, mãe?”

Essas e outras nos levam a crer que as crianças sempre têm as respostas, e os adultos as esquecem com o tempo.

O #amor não tem rótulos – #diversidade #inclusão

Hoje vimos nas redes sociais um vídeo maravilhoso que representa bem que o amor deve ser praticado em sua forma mais pura, sem rótulos. O amor não tem gênero. O amor não tem raça. O amor não tem deficiência. O amor não tem idade. O amor não tem religião. O amor não tem fronteiras.

Usando uma tela de raio-x foi mostrado em praça pública casais de esqueletos apaixonados. ❤ ❤ A identidade por trás dos esqueletos foi a grande emoção! Assista e se emocione:

Se você tem esperança em mundo de mais amor e respeito à diversidade e à Natureza, compartilhe seus sentimentos por aí. Converse com as pessoas, tenha paciência para expor suas ideias. O desconhecimento leva ao preconceito, violência, sofrimento e espanto diante da diversidade social, cultural, sexual e étnico-racial. Vamos abordar temas contemporâneos com uma visão otimista e contribuir para uma educação inclusiva e com afeto.

‘Francisca quer saber’ é o oitavo livro, o quarto da segunda coletânea #livroinfantil

capa8+

No oitavo livro da segunda coletânea d’O mundo colorido de Francisca, a nossa personagem principal entra em contato com sentimentos como a solidão, a saudade e descobre o valor da amizade. O livro trata da perplexidade da vida, aborda a diversidade de sentimentos e o respeito aos animais.

O tema do livro foi substituído de última hora pela Carol, a autora. A princípio era uma narrativa sobre curiosidades infantis, mas ela e a  ilustradora  Mariana chegaram à conclusão de que a história tinha ficado muito solta e com muita informação desconexa, por isso Carol resolveu buscar inspiração em outro canto.

Ao invés de falar sobre curiosidades diversas sem alguma densidade, resolveu focar num tema, e o seu amigo Carlos Juba a ajudou. Juba idealizou uma personagem coruja que se chama Sabina. Como não conseguiram escrever uma história a quatro mãos, Carol se inspirou nos posts dele sobre a solidão, e a história saiu linda, cheia de sentimentos, em especial as saudades.

Esperamos que vocês gostem!!

Texto original publicado pela autora no blog .:. Ideias em Gotas .:.