Havana, Cuba: Congresso Internacional Leitura 2013 – Para ler o XXI #literatura #diversidade #inclusão #emoção #palavras #leitura

Olá,
Semana que vem o nosso Mundo Colorido estará em Havana!
Lá o acesso à internet é limitado, portanto, voltaremos cheios de novidades! Até logo!

.:. Ideias em Gotas .:.

É com muita alegria que participarei do Congresso Internacional Leitura 2013 – Para ler o XXI Há que se conhecer as forças do mundo para colocá-las em movimento. Minha proposta é apresentar as ideias por trás do projeto dos livros d’O mundo colorido de Francisca, abordando, principalmente, a diversidade e a inclusão.

Meu foco é afetivo/atitudinal com o intuito de promover a valorização da diversidade. Entre os temas tratados nos livros publicados até o presente momento, destacam-se:

  • O respeito às individualidades (raça,etnia, idade, gênero);
  • As relações interpessoais de dependência e o respeito geracional (empatia, reconhecimento e valorização);
  • A diversificação dos núcleos familiares, introduzindo a criança a outras realidades;
  • A construção e reconhecimento da autoimagem e da identidade;
  • O novo papel da mãe com a emancipação da mulher para o trabalho;
  • A introdução da criança a diferentes culturas;
  • A relativização das definições de gênero;
  • O respeito aos animais e à…

Ver o post original 126 mais palavras

Mercado de #LiteraturaInfantil: setor é marcado por problemas de distribuição e compras governamentais

Mercado de literatura infantil em pauta

PublishNews – 10/10/2013 – Iona Teixeira Stevens

Setor é marcado por problemas de distribuição e compras governamentais

O Pavilhão 3 da Feira de Frankfurt é o mais colorido e um dos mais agitados, afinal, é onde se concentram as editoras de livros infantis. E foi ali que aconteceu hoje de manhã uma apresentação sobre o mercado editorial da literatura infantil brasileira, que reuniu Breno Lerner, da Melhoramentos, Mariana Warth, da Editora Pallas, e Renata Borges, da Peirópolis, que falaram sobre as características do gênero no Brasil. E elas podem grosso modo ser resumidas a duas: problemas de distribuição e compras governamentais.
“O Brasil tem cerca de 1.000 livrarias, num país com uma população de 200 milhões,” abriu Lerner. “A distribuição dos livros é, portanto, muito difícil, e acabamos dependendo muito das compras governamentais e das vendas diretas para escolas”. Mas, lembrou Lerner, o mercado é enorme, “dos 35 mil novos títulos lançados todos os anos, 24% são infantis”. Além disso, o futuro depende e passa pela educação (e a educação pelos livros infantis), então a expectativa é sempre de expansão.
Mariana Warth, da pequena carioca Pallas, reforçou a importância das compras governamentais. “A nossa editora teve 4 títulos que entraram nos programas de compras governamentais. Cada um teve 100 mil cópias vendidas. Para uma pequena editora como a nossa, determina muita coisa. É um número que talvez eu não chegue no ano inteiro”.
A plateia parecia não conseguir captar o tamanho do papel do governo brasileiro no mercado editorial. “Mas, quem são essas pessoas? Quem decide o que o governo vai comprar?”, perguntou uma italiana.
“Ninguém sabe, eles são invisíveis”, brincou Renata Borges. “Nós sabemos que são de universidades, às vezes mandamos um monte de livros para quem achamos que talvez seja responsável, para eles avaliarem. Em certo sentido, é um mercado selvagem”.
O governo tem ajudado indiretamente também. A Pallas e a Peirópolis publicam, respectivamente, livros com temas da cultura africana e de autores indígenas. Portanto a lei que obriga o ensino da história e cultura africana e indígena beneficiam ambas as editoras independentes.
Mas, em relação às poucas livrarias e dificuldades de distribuição, não há uma solução de curto prazo viável. “Por que não sugerem que o governo ajude a construir livrarias em lugares isolados, para ajudar a fomentar o mercado naquela região?”, perguntou uma senhora, que no Brasil seria provavelmente considerada ingênua. “Não atingimos nem o patamar de ter uma biblioteca em cada cidade no Brasil, e enquanto isso não acontecer não há como nem falar sobre livrarias”, respondeu Lerner. Como se sabe, há uma lei que visa atingir esse patamar, a uma taxa de 52 bibliotecas por dia.

Roda Criativa no Gaia & Filhos #fotos

O evento no Gaia foi super divertido. Fizemos oficina de confecção de brinquedos com material reciclado, brincamos de jogar, colorir, ler e fizemos muita farra!