Algumas dicas ao viajar com crianças

malasEncontramos na internet dicas interessantes para os responsáveis fazerem uma lista de checagem ao viajar com crianças e vamos condensar aqui para você:

1. Escolha malas práticas
Prefira as malas de rodinha ou mochila para deixar pelo menos uma das mãos livres para controlar a criança.

2. Evite bagagem lotada
Deixe espaço na mala, pois se tiver alguma compra ela vai precisar voltar para casa na mesma bagagem. Leve só as roupas essenciais. Se possível, arrume uma mala só para você e a criança.

3. Não esqueça a farmacinha
Tenha sempre com você termômetro, curativos tipo Band-Aid, gaze, esparadrapo, antitérmicos e analgésicos, protetor solar, repelente de insetos e medicamentos recomendados pelo pediatra.

4. Inclua um pouco de diversão
Não impeça que a criança leve seu brinquedo ou livro preferido. Evite brinquedos barulhentos para não incomodar vizinhos de quarto.

5. Carregue o casaquinho mágico
Mesmo que estiver indo para um local de clima quente, coloque um agasalho e uma capa de chuva na mala, para o caso de a temperatura mudar repentinamente. Deixe o agasalho na bagagem de mão se for viajar de avião, para o caso do ar condicionado resfriar demais.

6. Lembre de ter sempre algumas coisas a mão
Leve na bolsa de mão água mineral, mamadeira, um lanche rápido, chupeta e um brinquedo para distrair a criança durante a viagem. Tenha também roupas para uma troca rápida.

7. Confira a mala básica
A Folha Online também preparou uma lista básica do que é preciso levar na mala das crianças para uma viagem de uma semana. Clique aqui para ver a lista.

Brincadeiras que ultrapassam gerações

escondeOi Pessoas!

Hoje vamos falar de brincadeiras que nunca saem de moda. Aquelas que são passadas de geração para geração. Algumas são muito populares, como soltar pipa, brincar de esconde-esconde, pega-pega, mímica ou telefone sem fio, passando por jogar bolinha de gude e bafo (jogo também conhecido como bate figurinha) ou rodar pião. Outras menos conhecidas para alguns, como barra manteiga, e corre cotia. Vamos ver essas duas?

Barra Manteiga

Para essa brincadeira, quanto mais amigos melhor!

Os participantes se dividem em duas fileiras, formando duas equipes. As fileiras têm que ficar de frente uma para outra e distantes entre si uns 10 passos. Todos ficam com as palmas das mãos viradas para cima. Alguém de uma equipe vai até a outra e bate nas mãos de todos os seus integrantes quantas vezes quiser cantando:

♫♫ Minha mãe mandou pegar nesse daqui, 1, 2, 3! ♫♫.

Quando disser o número “3”, o jogador bate forte na mão daquele que terá que sair correndo para pegá-lo.

Se a pessoa que bateu for pega, ela passa para a outra equipe. Mas se ela conseguir chegar à sua equipe antes de ser pego, é o pegador quem muda de time e recomeça toda a brincadeira. No final, vence a equipe que tiver mais gente!

Corre Cotia

Nessa brincadeira as crianças vão precisar de um lenço e uma bolinha qualquer, quer pode até ser uma meia enrolada.

Todos se sentam em roda e tapam os olhos com as mãos. Escolhe-se alguém para começar e essa pessoa vai andar por fora da roda, passando pelas costas dos outros enquanto canta:

♫♫ Corre cotia, de noite e de dia, corre com cipó, na casa da vó, lencinho na mão caiu no chão! Pode pegar? Pode! Ninguém vai olhar? Não! ♫♫

As conchas do mar

conchas

Existe a lenda de que objetos tirados do mar dão azar, mas nem sempre foi assim. Estrelas-do-mar já foram colocadas atrás das portas para dar sorte e os búzios são usados como objetos de comunicação com os Orixás em algumas religiões de origem ou influência africana. Em algumas regiões brasileiras são também pendurados no pescoço das crianças para ajudar na dentição e pescadores recolhem os búzios para fazer cal de suas cascas. Ricas em magnésio, ferro, cálcio e cobre, eles têm  vários usos  na farmacologia.

Eu adoro catar conchinhas na praia! Para mim é a maior diversão!

As crianças e os animais

gatosEstudiosos e pediatras recomendam que as crianças cresçam com animais de estimação.  Além de estimular o companheirismo, o animal provoca diversos estímulos na criança, trabalhando sua motricidade desde cedo. O bebê exercita o que é chamado de coordenação motora fina ao brincar com os animais.

Na coordenação motora fina músculos pequenos são estimulados, como os das mãos e dos pés. Ao desenhar, pintar, manusear pequenos objetos e acariciar animais, a criança realiza movimentos mais precisos, delicados, e desenvolve habilidades que a acompanharão por toda a vida. Treina a marcha ao engatinhar ou tentar andar atrás do animal. Olfato, visão e audição são provocados pelos sons, cheiros e movimentos dos bichos.

E não são apenas as crianças que se beneficiam dos bichanos. Cientistas norte-americanos já revelaram também que ter um animal é um ótimo aliado contra o estresse. Os donos dos bichos que participaram do estudo tinham a frequência cardíaca e a pressão arterial significativamente mais baixas se comparados com aqueles que não tinham um animal de estimação.

Há sempre a necessidade de supervisão de um adulto nas brincadeiras, principalmente se o bicho escolhido for um cachorro. O cão pode ter um desvio de comportamento, dependendo de como a interação acontece. Se a criança o perturbar, ele pode ficar agressivo. Se você quiser saber sobre as raças antes de escolher seu bichinho, pode acessar o site http://www.kennelclub.com.br.

A revista Crescer também disponibiliza um teste online para você saber qual o melhor bicho para seu filho.

Clique aqui e se divirta!

A era pós-industrial: cidades verdes, pegada ecológica e criatividade

 palmeirasPesquisadores e estudiosos chegaram à conclusão de que as cidades, são sim, verdes! Esse é um novo conceito que desafia os cientistas tradicionais a pensarem e agirem de uma nova forma. Com o objetivo de disseminar essa nova concepção é importante incorporar no ensino tradicional a importância da Pegada Ecológica. A “Pegada Ecológica” ou Ecological Footprint em inglês, é um indicador de sustentabilidade ambiental. O índice examina a dimensão dos impactos negativos que as atividades exercidas por nós causam junto às fontes naturais. Cada estilo de vida demanda uma certa quantidade de matéria e energia da Natureza, produz resíduos e provoca emissões de gases que desestabilizam o meio ambiente.

É essencial qualificar os educadores para que eles promovam debates sobre a percepção das relações entre todos os sistemas naturais.  Principalmente a ligação das cidades, ecossistemas urbanos, com os ecossistemas selvagens. Para que possamos ter um mundo mais sustentável é necessário que as novas gerações entendam a importância da preservação dos ambientes naturais, seja qual for o caminho profissional que elas sigam no futuro. Citando o professor de Educação para a Sustentabilidade, Robert Farrell:

“Uma mudança de consciência, que é vital para a mudança de comportamento, é muito difícil de alcançar e exige o processo desafiador e lento de desaprender e reaprender.”*

Educação para a Sustentabilidade ou para o Desenvolvimento Sustentável, como vimos no post do dia 11 de janeiro, significa educar para um mundo mais justo, o que envolve os pilares econômicos, sociais e ambientais. O sistema educacional vem recebendo muitas críticas: a falência do processo de aprendizagem, escolas consideradas “máquinas de triagem” ou reprodutoras do status quo….

A escola que deveria ser ferramenta de transformação social para muitos é ainda considerada uma fábrica de força de trabalho. Força utilizada por governos para a busca incessante pelo poderio econômico no mercado globalizado – escravizando e sufocando talentos individuais – e até mesmo para a promoção da Guerra, a exemplo dos EUA.

Estamos no Século XXI, mas a Educação ainda está nos moldes ultrapassados. Continuamos reproduzindo uma educação de modelo industrial, que alimenta um sistema econômico massacrante e injusto. O mundo mudou muito, todavia o nosso sistema de educação não acompanhou o ritmo. Temos que reconhecer que existem muitos caminhos para que os jovens tenham sucesso e que é necessário proporcionar o apoio adequado e criar oportunidades para que eles desenvolvam seus talentos individuais. Vivemos na era pós-industrial, que é a era da criatividade, pois a força de trabalho físico hoje é feita pelas máquinas e o trabalho mental facilitado pela tecnologia. Portanto, o homem tem uma tarefa insubstituível: ser criativo.

O importante da educação não é apenas formar um mercado de trabalho, mas formar uma nação, com gente capaz de pensar. José Arthur Giannotti

Leia aqui texto interessante que fala sobre “A Era Pós-Industrial, a Sociedade do Conhecimento e a Educação para o Pensar”.

*Tradução Livre

Carnaval chegando, aprenda a fazer um saiote de filó!

franciscaprincesaEu vou sair de princesa esse ano. Pedi um tutu de tule, também conhecido como saiote de filó para minha mãe e ela achou um vídeo muito legal, que ensina a fazer um super prático.

O vídeo está em inglês, mas é bem visual. Sabendo que para obter o resultado mostrado você precisa de um elástico 5 cm menor do que a cintura que deseja, 40 pedaços de filó de 25cm x 70cm e fitas de cetim também de 70cm, é só escolher as cores que deseja e colocar a mão na massa para cair na folia bem colorida!

Hoje é sexta-feira e amanhã tem brincadeira!!!

cavalinhoJuntamos algumas dicas de coisas para fazer no Rio, em São Paulo, Salvador e Natal. Sua cidade ficou de fora? Mande sugestões!

Vamos dar uma olhada?

Rio de Janeiro

Domingo agora, dia 20 de janeiro, o evento Sambebê reúne papais, mamães, filhotinhos e filhotinhas para ouvir boa música no Cais da Imperatriz, nova casa do tradicional Trapiche Gamboa. Será o primeiro Sambebê do ano! Veja mais informações no site 1001 roteirinhos.

20 de janeiro de 2013

15h às 16h: música instrumental

16h30min: show de Dorina

Cais da Imperatriz

Rua Sacadura Cabral, 145 – Praça Mauá

Ingressos antecipados: R$ 25 na Mini Humanos (Rua Voluntários da Pátria, 212, Loja I – Botafogo – Rio de Janeiro) e Trapiche Gamboa (Rua Sacadura Cabral, 155 – Praça

Mauá – Rio de Janeiro)

Ingressos no dia: R$ 40,00  (à venda no local)

E tem também o Projeto Baguncinha no mesmo dia, antes da Festa bailinho no MAM.

13, 20, 27 de janeiro e 03 de fevereiro de 2013

17h às 20h

Pilotis do MAM

Av. Infante Dom Henrique, 85 – Aterro do Flamengo

Tel: 2274-7420

Evento gratuito.

São Paulo

O Shopping Villa Lobos oferece programação gratuita para a criançada: arvorismo indoor (escalada, tirolesa etc.), oficina de pintura e de instrumentos musicais, filmes, videogame (Wii) e atividades na brinquedoteca.

O espaço pode receber até 10 crianças de 03 a 12 anos, a cada 20 minutos. Todas as brincadeiras são ministradas por monitores que acompanham os pequenos.

17 de janeiro a 17 de fevereiro de 2013

Segunda à Sábado: 10:00 às 22:00

Shopping Villa Lobos

Av. das Nações Unidas, 4.777 – Alto de Pinheiros

Domingos e Feriados: 14:00 às 20:00

Recomendação: 3 a 12 anos

Evento gratuito.

Salvador 

Amanhã, dia 19 de janeiro, tem contação de histórias na Livraria Cultura do Salvador Shopping às 18h: “Quem soltou o Pum?” e “Soltei o Pum na escola!”.

Horários diversos, conferir programação clicando AQUI.

05 e janeiro a 27 de janeiro de 2013

Salvador Shopping

Avenida Tancredo Neves, 3133 – Caminho das Árvores

Segunda a Sábado – 9h às 22h

Domingos e feriados – 12h às 21h

Tel.: (71) 3505-9050

Evento gratuito.

Natal

Domingo tem Dia de Recreação no Praia Shopping que, em parceria com a Safari Festas, preparou uma programação especial para os pequenos. As atividades são voltadas para crianças de 3 a 9 anos.

20 de janeiro de 2013

15h às 17h

Praia Shopping

Av. Engenheiro Roberto Freire, 8790, Ponta Negra

Tel.: (84) 4008-0842

Evento gratuito.

Divirtam-se!!!

O papel dos avós na família

avós

Você ainda tem avós? São moderninhas ou prendadas?

E avôs? São brincalhões ou habilidosos?

O papel dos avós na família vai muito além dos mimos dados aos netos e muitas vezes eles são o suporte afetivo e financeiro dos pais e seus filhos. Por isso, se diz que os avós são pais duas vezes. Segundo estudo da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, publicado pela BBC Brasil, as crianças crescem mais felizes e ajustadas quando os avós desempenham um papel ativo em sua educação.

O estudo revelou que a proximidade entre netos e avós é benéfica para as crianças e cada vez mais comum diante da atribulada rotina de trabalho dos pais nos dias de hoje. Além do mais, foi observado que os avós podem ser muito importantes para ajudar as crianças e adolescentes a superar dificuldades do dia-a-dia, como a implicância de colegas da escola, aconselhá-los sobre qual universidade escolher e planejar o futuro.

A pesquisa apontou, também, que os avós podem ajudar as crianças a superar traumas, como o divórcio dos pais.

Você já demonstrou carinho pelos seus avós hoje?

Leia a matéria da BBC na íntegra clicando aqui.

Uma nova visão da escola

Hoje vamos disponibilizar dois artigos sobre o livro “Earth in Mind”, de David Orr (Earth in Mind: On Education, Environment and the Human Prospect – Terra em Mente: Na Educação, no Meio Ambiente e a Perspectiva Humana, tradução livre), sem tradução para o português, infelizmente.

O livro fala sobre a necessidade de um novo currículo educacional nesta nova era. De uma mudança de pensamento para um mundo mais sustentável.

Como defendia nosso educador Paulo Freire na obra Pedagogia da Autonomia (2002, p. 36):

“Precisamos contribuir para criar a escola que é aventura, que marcha, que não tem medo do risco, por isso que recusa o imobilismo. A escola em que se pensa, em que atua, em que se cria, em que se fala, em que se ama, se adivinha, a escola em que apaixonadamente diz sim à vida.” 

Escolas para o século XXI

“As gerações futuras precisam aprender a utilizar melhor a energia e os materiais disponíveis. Precisam aprender a usar a energia solar sob todas as suas formas. Precisam eliminar a poluição e o desperdício. Precisam aprender a administrar recursos renováveis. Precisam iniciar a imensa tarefa de restaurar, da melhor forma, os danos causados à Terra nos últimos 200 anos de industrialização. E tudo isso precisa ser feito, enfrentando as iniqüidades sociais e raciais. Nenhuma geração teve que encarar tamanho programa  de trabalho. Continuamos, porém, a educar nossos jovens como se não houvesse nenhuma  emergência planetária. Mas, a crise que enfrentamos é principalmente uma crise da mente, da percepção e dos valores — portanto, um grande desafio para as instituições que formam mentes, percepções e valores. Um desafio educacional.” David Orr 

Leia mais!

Educação e Inovação para Sustentabilidade

“A educação não é amplamente considerada como um problema, a não ser a falta dela. A sabedoria convencional reforça que toda educação é boa e quanto mais se tem melhor. A verdade é que sem as devidas precauções, a educação pode formar pessoas simplesmente para ser vândalos mais eficazes da Terra”. David Orr

Leia mais!

Outro link sobre o assunto:

Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Afinal, o que é aprendizagem sustentável?

Sustentabilidade é um termo abrangente, um modelo de desenvolvimento que carrega consigo diversos programas. E ‘aprendizagem’ inclui não somente o que é alcançado através dos sistemas educacionais (educação em seu sentido mais formal), mas também o que é assimilado no cotidiano, seja em casa, no trabalho ou na comunidade (Tilbury & Wortman, 2004).

As peças-chave para tal tipo de educação envolvem três pilares: a sociedade, o meio-ambiente e a economia, todas tendo a cultura como ponto de convergência (Tilbury & Wortman). Com o objetivo de encontrar soluções pragmáticas para que a educação tradicional se adapte às mudanças do planeta, a Comissão de Educação e Comunicação da IUCN – International Union for Conservation of Nature (uma das mais influentes e respeitadas organizações no campo da conservação da diversidade biológica, da preservação do meio ambiente e da gestão de recursos naturais) defende que a Educação para o Desenvolvimento Sustentável reforce os valores culturais e a utilização responsável dos recursos naturais para que a sociedade mundial encontre justiça social.

Sendo a educação o principal agente transformador da sociedade, ela precisa também transformar-se para acompanhar as mudanças tecnológicas e necessidades ambientais. O modelo tradicional do “cuspe e giz” já não segura mais a criança tecnológica. No entanto, o computador e outras ferramentas modernas não substituem a experiência alcançada através da interação com a Natureza.

Cada forma de aprender tem o seu lugar como parte do mosaico necessário para o desenvolvimento de crianças e jovens. A consciência da diversidade (social, cultural e ambiental), dos valores tradicionais, dos conhecimentos e das línguas associadas com as mais variadas formas de expressão cultural que temos espalhadas pelo mundo, passarão a determinar a forma com que a aprendizagem sustentável acontecerá nos contextos específicos de cada comunidade.

A ONU declarou em 2005 mais uma década temática, dedicada à Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014). Esta iniciativa precisa significar mais do que apenas uma fonte de esperança.

Outros links sobre o assunto:

UNESCO

“Isso representa uma nova visão da educação capaz de ajudar pessoas de todas as idades a entender melhor o mundo em que vivem, tratando da complexidade e do interrelacionamento de problemas tais como pobreza, consumo predatório, degradação ambiental, deterioração urbana, saúde, conflitos e violação dos direitos humanos, que hoje ameaçam nosso futuro.”

“A sociedade brasileira é constituída por diferentes grupos étnico-raciais que a caracterizam, em termos culturais, como uma das mais ricas do mundo. Entretanto, sua história é marcada por desigualdades e discriminações, especificamente contra negros e indígenas, impedindo, desta forma, seu pleno desenvolvimento econômico, político e social.”

 ——————————————–

Tilbury, D. & Wortman, D. (2004). Engaging People in Sustainability, Comission of Education and Communication, IUCN, Gland, Switerland and Cambrige, UK.